terça-feira, 10 de março de 2009

Dança um rock, preta?

O texto que segue abaixo é, de certo modo, datado. A tentativa à época em que escrevi era de descrever o surgimento do samba-rock na cidade de São Paulo. Publiquei o mesmo na revista Histórica número 15 (julho/agosto/setembro de 2004), uma publicação trimestral do Arquivo do Estado de São Paulo. Ainda gosto dele, apesar de várias imprecisões. Tem uma pegada mais acadêmica, mas é digerível para ler *rs*. Dica: pra quem nunca viu um casal dançando samba-rock, entre aqui e veja meu amigo Professor Moskito dando uma aula na velha tradição e pegada maloqueira de SP. Para saber de eventos de samba-rock visite os blogs Samba-Rock na Veia e Na Onda do Samba-Rock Enjoy o texto e mandem comentários, o autor agradece!

HORA DE TRANÇAR OS BRAÇOS, HORA DE DANÇAR SAMBA-ROCK!

http://www.assumption.edu/users/mcclymer/His130/P-H/Harlem2/jeunesse.jpg
Imagem 1

Com o passar do tempo e um certo avanço das pesquisas em estudos afro-brasileiros, cientistas sociais em geral cada vez mais evitam usar a expressão "negro brasileiro" de maneira genérica. Do ponto de vista do aspecto cultural, entendendo cultura como produção material nos mais diversos âmbitos, essa expressão é empobrecedora e, por esse motivo, tende a ser evitada. Paulatinamente nos certificamos de que a experiência afro-brasileira é multifacetada e, muitas vezes, a análise que é elaborada para um determinado locus não elucida nada a respeito de outro (Berriel, 1988). Diante disso faz-se necessário um esforço de inserir pluralidade ao "negro brasileiro", vendo por trás dessa expressão tão abstrata uma miscelânea de grupos como os afro-baianos, os afro-paulistas, os afro-mineiros e assim por diante.

Meu interesse neste artigo é focar traços de singularidade dos afro-paulistas. Para isso tentarei analisar sociologicamente o surgimento de uma dança característica desse grupo, o samba-rock. O texto tem como objetivo apresentar o samba-rock como uma manifestação cultural específica da comunidade negra paulistana e de cidades do interior do estado.


Imagem 2

O que é o samba-rock?

"O que hoje se chama samba-rock, ou batida Jorge Ben, fomos nós que criamos. Na realidade, montamos o ritmo. Ele tinha a batida de violão e nós montávamos o ritmo que dava certo com o violão dele. Fizemos uma batida com a levada do violão, mas com um acento de rock". Nereu - percussionista do grupo Trio Mocotó.

"Olha mano, na verdade é o seguinte: o samba-rock, pra mim, no meu modo de ver, não chega nem a ser um estilo musical, tá? Pra mim é muito mais um estilo de dança". Gordo - DJ e proprietário da Gordu's Discos.

"Quando eu inventei essa batida, chamava de sacundin sacunden, depois, na época da jovem guarda, virou jovem samba e, mais tarde, sambalanço". Jorge Benjor

"Samba-rock...? Esse negócio de samba-rock não existe. Foi branco (com desprezo) que inventou isso aí. Foi branco!". Amauri - DJ de samba-rock.

https://www.ifmusic.co.uk/images/product_images/jorgebenjorgeben.jpg
Imagem 3

O que vem a ser samba-rock? Esta é uma pergunta que vem intrigando muitas pessoas ultimamente. Estilo musical? Estilo de dança? Movimento cultural? Não há uma resposta satisfatória, mas as frases acima parecem buscar legitimidade para se tornar versão oficial. Aqui se evidencia a relação explicitada por Pierre Clastres (1988), no último capítulo da sua obra A Sociedade Contra o Estado, entre poder e palavra: o que se fala, em nome de quem se fala e para quem se fala. Podemos ver que DJs e músicos falam de lugares diferentes e representam interesses diferentes. Parece-nos que aqui caberia bem a expressão utilizada no título de uma obra organizada pelos historiadores Eric Hobsbawn e Terence Ranger (1984), A Invenção das Tradições, como a idéia presente. O que se evidencia nas falas acima é a tentativa de criar uma história legitimadora e uma tradição para o que se denomina "samba-rock". Uma história enfatiza a dança e, a outra, a música. Para esses historiadores não importa que a história seja verdadeira ou não, mas sim que faça sentido para os indivíduos envolvidos, evidenciando uma ligação da manifestação cultural com um período histórico passado ao mesmo tempo em que a "história contada" explicite vínculos com o presente. Em suma, um processo de invenção de tradição.

http://ecx.images-amazon.com/images/I/41R8QCV305L.jpg
Imagem 4

Samba-rock dança X samba-rock ritmo

"Samba-rock é tudo aquilo que dá pra dançar no estilo de dança samba-rock". Marcão - proprietário do salão Green Express.

"O gueto, uma reunião de negros nos Campos Elíseos em 1958". É assim que Antonio Boaventura, o Tony Hits, começa a contar a gênese do samba-rock em São Paulo. Tony é proprietário da mais famosa loja de samba-rock da cidade, a Tony Hits Discos, que fica nos fundos do Green Express - o mais freqüentado salão de samba-rock da região central - localizado na Avenida Rio Branco. Assim como os outros DJs entrevistados, ele vê o samba-rock como uma dança, e não como um estilo musical.

Em fins da década de 1950, as opções de lazer para os negros eram poucas. Os bailes de orquestras eram caros e nem sempre aceitavam a presença de negros. Os shows de artistas e os teatros eram também pouco acessíveis, sobrando apenas os cinemas ou o footing pela Rua Direita, na região central, aos domingos. Nessa mesma época, Seu Osvaldo, um senhor que trabalhava como técnico eletro-eletrônico e morava na região dos Campos Elíseos, tentou montar um aparelho para tocar seus discos de maneira amplificada. A adaptação deu certo e Seu Osvaldo começou a fazer festas de garagem e de quintal na sua casa e de amigos. Com o decorrer do tempo houve uma proliferação dessas festas de garagem e de quintal e começou a existir um público, predominantemente negro, apreciador desses encontros.

O que passava pelos toca-discos improvisados eram vinis de jazz, samba, orquestras, rithym & blues dos negros e rock and roll dos brancos americanos, além de ritmos caribenhos como o mambo e a salsa. A maneira de dançar era muito próxima a do rock dos anos 1950: aos pares de mãos dadas e várias voltas ao redor do corpo dos dançarinos. Com o tempo, incorporaram-se movimentos típicos do samba e dos ritmos caribenhos. O que diferenciava essa dança do rock era a sua sutileza, o swingue. A definição que Tony Hits dá de samba-rock engloba tudo isso: "O samba-rock é um estilo de dança. É um aglomerado de músicas que dão ritmo e se dança o samba-rock". O nome teria vindo da ordem em que as músicas eram tocadas: um rock depois um samba; outro rock seguido de um samba e assim por diante. O primeiro rótulo dado foi "rock-samba" e depois surgiu o termo "samba-rock".

Essa dança permaneceu por mais de 40 anos sem ser conhecida pela mídia e pelo grande público. Sempre esteve restrita aos bailes de negros, que aconteciam na periferia ou no centro velho, às festas de casamento, aos noivados, aos batizados e aos churrascos dessa comunidade. Algo interessante e que vale a pena ressaltar é que não existiam escolas de samba-rock - só recentemente isso tem aparecido - afinal, ela era um tipo de dança que se aprendia "naturalmente", pois fazia e faz parte da experiência e do estilo de vida da comunidade negra paulistana.

Ao conhecer uma garota negra chamada Regina, em uma visita ao Green Express, perguntei-lhe como ela havia aprendido a dançar, ao que a moça respondeu: "Bem, eu fiz algumas aulas, mas para falar a verdade eu já sabia. Ah, você sabe, né? Samba-rock é coisa de preto e aí já viu, você aprende em casa". Assim, percebe-se que o aprendizado da dança se dá na vivência diária dos negros. Ouvi casos de pessoas que aprenderam a dançar com a porta ou com a roupa pendurada no varal.

A definição de Marcão, citada no início deste tópico, é interessante, pois mostra que qualquer tipo de ritmo pode ser rotulado como samba-rock desde que "caia" bem para dançar. Nos anos 1960, contudo, surge uma série de músicos influenciados pela música dos negros americanos e pelo rock and roll da época. O melhor exemplo é Jorge Ben (ainda não era Benjor) que, através da incorporação da guitarra elétrica no samba, passa a fazer o que alguns chamariam de "samba swingado".

Este ritmo cairia como uma luva para as performances dos dançarinos da dança paulistana. Devido a isso o ritmo produzido por Ben e outros artistas como Bedeu, Marku Ribas, Bebeto e Trio Mocotó, para citar apenas alguns, se estabelece como a melhor definição do que seria o "ritmo samba-rock". Mas nessa época este tipo identificação partia muito mais dos freqüentadores de bailes e dançarinos do que dos artistas. Em fins dos anos 90, surgem várias bandas que se vinculam ao ritmo samba-rock, como Clube do Balanço e Faru Fino, seguidas de uma disputa pela paternidade da criança entre os músicos mais antigos.

Enfim, o samba-rock, estilo de dança ou ritmo musical, evidencia como na busca por uma forma de lazer os negros paulistanos dos anos 1950 e 1960 acabariam criando algo peculiar a sua experiência na metrópole. Mais do que opositores, os dois discursos podem ser encarados como complementares, pois ambos fazem sentido para os atores sociais envoltos nesses espaços de sociabilidade e lazer. Além disso, pela apuração do olhar, percebe-se que o samba-rock é apenas um dentre vários outros elementos constitutivos da sociabilidade dos negros paulistanos. Esses elementos formam um circuito black, como chamou o antropólogo José Guilherme C. Magnani (1998), composto por lojas de discos, salões de cabeleireiros, escolas de samba e festas religiosas.

O surgimento desse circuito é fruto da experiência da comunidade negra na cidade desde o início do século passado e a sua relação com o espaço urbano, que é mediado pelos problemas raciais e de integração social. Florestan Fernandes (1965) expõe bem essa idéia ao falar da "ressocialização" na qual o negro da capital paulista foi inserido após a abolição. Diz ele que "ao decidir permanecer na cidade, apesar de tudo, o negro optou por um estilo de vida, por uma concepção do mundo e por ideais de organização da personalidade. Sem o saber, ao longo dos anos da desventura foi assimilando, ao acaso, um pouquinho de cada coisa. Por fim, concentra-se, subjetivamente, num urbanita, embora ostentasse essa condição de forma precária, tanto psicológica quanto sociologicamente" (Fernandes, 1965: 19-20).

A "ressocialização" de que fala o sociólogo paulista é responsável pelo surgimento do "novo negro" que se contrapõe ao negro ainda vinculado, social e psicologicamente, à escravidão. Em fins dos anos 1950 e início dos anos 1960, com o crescimento da influência cultural dos Estados Unidos no pós-guerra e com uma certa melhoria do acesso a aparelhos eletro-eletrônicos, como as vitrolas, e aos bens culturais, como os discos de vinil, os negros paulistanos experimentam um maior contato com a musicalidade dos afro-americanos que trazia a reboque uma "atitude" política e racial. Entra aqui a noção de Atlântico negro, de Paul Gilroy (2001), ou seja, a circulação de idéias políticas, ritmos musicais e manifestações culturais entre as populações negras nessa região da diáspora africana.

Se a juventude branca de classe média se deixava influenciar pelo rock and roll e criava o "ieieie", os negros animavam as suas festas de garagem ou jantares dançantes ao som de jazz e soul, produzidos pelos negros norte-americanos, ou de música caribenha, sem deixar de lado o samba brasileiro. O samba-rock e os bailes negros contemporâneos surgem nesse contexto. Qualquer festinha de preto paulistano tinha (e tem) jazz, samba, soul, jovem guarda, MPB, rock and roll, bossa nova e vários casais "trançando os braços". Tudo isso é samba-rock!

Bibliografia
BERRIEL, Maria M. O. Identidade fragmentada: as muitas maneiras de ser negro. São Paulo, 1988. Tese (Doutorado PPGAS), Universidade de São Paulo.
CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado.Rio de Janeiro: Francisco Alves,1988.
FÉLIX, João Batista de Jesus. Chic Show e Zimbabwe a construção da identidade nos bailes black paulistanos. São Paulo, 2000. Dissertação (Mestrado PPGAS), Universidade de São Paulo.
FERNANDES, Florestan (1965). "Movimentos sociais no 'meio negro'" In: A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus Editora/Editora da Universidade de São Paulo, 1965. V. 2.
GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.
HOBSBAWN, Eric & RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
MACEDO, Márcio e Luciane Silva. Quem não dança segura criança: samba-rock, uma dança de negros paulistanos. Trabalho de conclusão da disciplina "Práticas culturais no contexto urbano" do curso de Ciências Sociais da Universidade de São Paulo. 2º Semestre de 2001.
MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Brasiliense, 1984.
MAGNANI, José Guilherme Cantor. "Transformações na cultura urbana das grandes metrópoles". In: MOREIRA, Alberto Silva (org.), Sociedade global: cultura e religião. São Paulo: Universidade São Francisco, 1998.
Revista Showbizz, outubro de 1998.
Revista Raça Brasil, maio de 2000.
RISÉRIO, Antonio. Carnaval Ijexá. Salvador: Corrupio, 1981.
SANTOS, Joel Rufino dos Santos. "O Movimento Negro e a crise brasileira" In: Política e Administração, São Paulo, Rio de Janeiro, n. 2 (jul-set. 1985), p. 287-307.

Webgrafia
BARBOSA, Marco Antonio. Marco Mattoli e sua saga rumo ao swingue. 20/07/2001. Disponível no site www.cliquemusic.com.br
ESSINGER, Silvio. Samba-rock: o legado de Ben Jor para o pop. (s.d.). Disponível no site www.cliquemusic.com.br

Videoiconografia
Swingue (título provisório). Direção de Daniel Lieff e Tocha. Black Ninja Filmes/Gravadora Regata (2001).

Notas
*As informações aqui inseridas foram coletadas nas entrevistas com Tony Hits (DJ e proprietário da Tony Hits Discos) e Gordo (DJ e proprietário da Gordu's Discos) realizadas por mim no segundo semestre de 2001.
* O trabalho foi primeiramente apresentado como monografia na disciplina Práticas Culturais no Contexto Urbano, ministrado pelo professor José Guilherme Cantor Magnani e oferecida pelo departamento de antropologia da USP ao curso de graduação em ciências sociais no segundo semestre de 2001.

Imagens:
Imagem 1: Pintura vinculada ao movimento Harlem Renaissance onde se vê casal dançando jazz no Harlem nos anos 1920.
Imagem 2: Flyer de promoção de baile nostalgia em São Paulo.
Imagem 3: Capa do disco Força Bruta, Jorge Ben (1970).
Imagem 4: Capa do disco Trio Mocotó (2001).

7 comentários:

Mojana disse...

Olá Kibe.
Reler esse seu artigo sobre o samba-rock foi ótimo. Eu já o conhecia da revista (aliás, eu ainda guardo o exemplar que vc me deu, rsrsrsrs).
Essa discussão sobre a origem e a paternidade do samba-rock é engraçada. Quando a coisa não dava dinheiro ninguém falava nisso, agora, a turma logo se adianta pra ver quem vai receber os direitos autorais, hehehehehe.
Bem, a minha experiência com isso é como diz o seu amigo Gordo, a gente dançava samba-rock com qualquer música. O negócio é o ritmo, não o estilo musical propriamente dito.
Eu não me esqueço dos bailinhos que fazíamos na Cohab Cidade Tiradentes nos idos de 1984 com um gigantesco stereo Aiko, em que os parzinhos se apertavam na cozinha de uma casa geminada pra dançar ao som de...PAUL McCARTNEY! A música favorita da rapaziada chamava-se "Check my Machine", lado A do disco Waterfalls. Os caras vão falar o quê? Que o McCartney copiou o estilo do Jorge Ben?
O fenômeno que ocorre hoje com o samba-rock é o mesmo que já ocorreu com várias outras manifestações artísticas: enquanto é algo marginalizado e restrito aos guetos é "coisa de preto"; quando passa a ser algo economicamente lucrativo, passa a ser "de todos".

Mojana disse...

Uma correção: a música ficava no Labo B do disco.

Marcio Macedo (Kibe) disse...

Querida Mestra Mojana (nossa especialista para assuntos relacionados a relações internacionais!),

Obrigadassímo pela leitura, comentários e por dividir sua história conosco.

Beijos com saudades,

Kibe.

Lafayette Hohagen disse...

Kibe,lí o seu "estudo"sobre o samba rock. Confesso que não me sinto capacitado a dar opinião mais profunda mas...Como estilo músical temos o samba,samba bossa nova(essa a primeira denominação da bossa)samba canção,(quando garoto ouvia dizer que era como um bolero sem bongôs)samba maracatú,ritmo criado pela batida do Jorge Bem em sua música "mas que nada" samba da pilantragem que também tinha uma batida diferente do Simonal,enfim ,porque nào o samba rock. Mas pelo que ví em seu post ,está mais para um estilo de dança do que para estilo musical. Ia me esquecendo.O estilo musical do Tim Maia era o "samba soul" Abraços do Lafa

Caderno de Anotações disse...

Show de bola! Ow queridão, até "furtei" uma imagem tua!


Se possível, dê uma passa dinha no meu blog para ler o artigo, "Religião: samba rock"


abraços!!!

Anônimo disse...

olá sou camila de jesus almeida de gongogi adoreii muitooo beijooooooooo a,o vç??///

Anônimo disse...

olá sou camila de jesus almeida de gongogi adoreii muitooo beijooooooooo a,o vç??///