sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Eu me recuso...

No começo dessa semana ao voltar para São Paulo, marquei um almoço com um grande amigo para colocarmos a conversa em dia depois de alguns meses sem nos vermos. Esse truta é uma grande figura: inteligente, sarcástico, professor universitário, cinéfilo e sempre atento a novidades seja em qualquer forma de arte ou nas ciências humanas como um todo. Conversar com ele é uma mistura de aula de sociologia com pornochanchada sacana dos anos 70. Estava animado e cheguei no horário (13:00) levando um lembrancinha da Big Apple. Bem, aí começa o problema...

Meu amigo me deixou esperando por mais de 45 minutos e somente apareceu por volta das 13:50 pedindo desculpas e afirmando que havia tido alguns problemas para chegar no horário. Meu bom humor já havia sumido, mas lembrei que estava em SP e que todo mundo se atrasa por aqui devido ao trânsito e/ou problemas similares. Abri um sorrisso amarelo e tentei ser simpático. Estava com fome e louco para comer algo saboroso. Foi aí que veio o outro baque. Meu amigo afirmou que não estava comendo carne há um ano e queria me levar a um restaurante indiano que ele acha ótimo. Minha reação foi imediata dizendo que queria comer comida brasileira, algo como arroz, feijão, picanha e uma salada. Estava com saudades do tempero brasileiro e cansado de comidas exóticas (NYC é a "cidade" para restaurantes de comida thailandesa, vietnamita, indiana, iraniana entre outras). Mas não teve jeito, acabei indo - a contragosto - para o restaurante indiano.

O problema de alguns amigos que se tornam vegetarianos é que eles acham que o é legal, gostoso e descolado para eles também o é para todo mundo. Uma vez convidado, se você não aceita participar do programa de índio fica numa situação delicada já que o sujeito pode até lhe acompanhar a outro restaurante, mas não irá comer nada. Nem preciso dizer que odiei a comida: sem gosto e com uma cara esquisita. Desculpem, mas essa história de que um hambúrguer de carne de soja pode ser tão saboroso quanto a um hambúrguer normal não me convence. Meu amigo ainda argumentou em favor da boa saúde propiciada pela comida natureba e como a vida dele mudou depois que deixou de comer carne. Assim como Jesus, o vegetarianismo também salva! Mas sem chance, essa é uma das coisas que me enchem o saco em alguns estilos de vida da classe média, porque ser vegetariano é definitivamente uma coisa de classe média, não consigo visualizar um churrasco em alguma laje de Artur Alvim regado a hambúrguer de soja, filho! Eu entendo e aprecio os benefícios trazidos pela veg way of life, defendo o direito dos animais que são maltratados em criadouros e frigoríficos, também concordo que a produção/exportação de carne bovina contribui para o desmatamento da floresta amazônica e a redução das nossas reservas de água doce e frequento a YMCA (academia) da 14 Street tentando perder minha barriga de cerveja, MAS ME RECUSO TERMINANTEMENTE A DEIXAR ESSE HÁBITO RETRÓGADO E BÁRBARO QUE É COMER CARNE!

Após sairmos do restaurante sugeri um café e fiquei surpreso de meu amigo aceitar já que café tem cafeína: uma droga! Ficamos tomando café e conversando e após alguns minutos saquei um de meus Phillies Black Max, cigarilha que gosto de fumar após um cafézinho básico. Ofereci um a meu amigo meio que por educação, certo que ele não iria aceitar fumar depois de ter se convertido a vida natureba/saudável. Doce ilusão: o figura aceitou e fumou com gosto o bastão causador de câncer. Vai entender?!

19 comentários:

ALGUÉM disse...

HAHAHAHAHAHAH
ISSO É QUE DÁ TER AMIGO SOCIÓLOGO LOKO.......
ESTOU EM GUAIANAZES...PERTO DE ARTHUR ALVIM...NÃO TEM CHURRASCO DE HAMBURGUER DE SOJA....
TÁ CONVIDADO...BJOSSSSSSSSSSS
TIELY.
AH!
TEM POST NOVO!
FAZ VISITINHA...
BJÃO!!!

Kibe disse...

Querida Tiely Queen,
É claro que vou visitar o seu blog com calma, mas pelo que vi, vou gastar um tempo por lá considerando que estou atrasado na leitura do romance policial que está rolando por lá já que o mesmo está no nono capítulo! *rs* Cool! Thanks pelo convite! Hamburguer de soja ninguém merece!
Beijos carinhosos do Kibe!

Kibe disse...

Desculpa Tiely, essa minha última resposta à você ficou toda confusa! Isso é o que dá escrever e assistir Law and Order ao mesmo tempo! *rs*

Punk Canibal disse...

Fala, Kibe Kru!
Eu também defendo tudo isso (inclusive um bom fuminho e meia hora de atraso) mas não abandono os hábitos dos bons caçadores comedores de carne.
Só que... peraí... YMCA??? Saindo do armário, heim, Kibão? Ehehe...

Kibe disse...

Hey Guilhermão,
E cantando no ritmo do Village People... "...Y M C A..." *rs*

Raphael Neves disse...

Tu é fresco mesmo, hein? É bom variar de vez em quando. Comida é cultura, é preciso provar, vivenciar... Nem parece que estudou antropologia na faculdade.

Mudando de assunto: escuta, por que você não faz um "post" bacana sobre os 50 anos do Motown?

Abraço,
Rapha

Astro que é Gilda disse...

ridiculo!!!

Kibe disse...

Raphael,
Tinha prometido não contar pra ninguém que você gosta de comida thailandesa e vietnamita. E eu que sou fresco porque quero comida brasileira no Brasil??? *rs*

Concordo com você que comida é cultura, mas nesse dia eu tava em busca da cultura brasileira! *rs*

Abraços,

Kibe disse...

Ah, o post sobre música negra vem logo!

Rosi Rosendo disse...

Boa, Kibe! Legal saber o final da história... Havia ficado na parte que já fazia meia hora que você esperava e seu humor estava para lá de mau, rs.

Lafayette Hohagen disse...

Kibe,estou estreando a leitura de seu blog e gostando bastante. Entrei no blog pois estava a procura no google de noticias do Apolo Theater que tive oportunidade de conhecer em 1957 quando morei em Manhattan. Assistí ali um show inesquecível do maior show man que ví em meus 70 anos de vida. Sammy Davis Jr.Vai daí que fui parar em seu blog o que foi muito bom. Quem sabe vc faz algo a respeito da trajetória do Apolo desde os tempos em que revelava grandes musicos e cantores até as reformas sofridas e os dias de hoje? em meu blog oportunamente contarei o episódio do show de Sammy Davis. Um abraço.

Anônimo disse...

Fala, curintiano!?

Malemal comecei a ler seu brog e já dou de cara com um esculacho destes!? hahahaha...

Ainda nao deu certo de nos trombarmos e acho que no final de março já tô embarcando em outro navio novamente.
Uma hora a gente consegue marcar umas birras e um bom churrasco brasileiro, sem essa roubada toda em que vc conseguiu se meter! :)

Abração e boa sorte aí com as gringas! ;)

igor

Kibe disse...

Prezada Rosi,

Encontrei você lá e agora aqui.

Beijos carinhosos,

Kibe.

Kibe disse...

Amigo Lafayete,

Seja muito bem-vindo ao NewYorkibe. Fiquei curioso com a sua experiência de ter morado na Big Apple nos anos 1950. Devida ser um lugar bem diferente do que é hoje. Relativo a essa época, li os relatos dos músicos de jazz, a biografia de Malcolm X e os livro de James Baldwin.

Sobre a história do Apollo Theater realmente você tem razão, daria um bom post. O único problema é o meu tempo para me dedicar ao blog que está cada vez mais escasso. De qualquer maneira, uma hora ou outra ele aparece.

Obrigado pela leitura!

Abraço do Kibe.

Kibe disse...

Japonês que torce para o Palmeiras é coisa de Brasil mesmo!

Igor, você sobreviveu as comemorações relativas a sua volta para a capital brasileira da fabriquetas de jóias? *rs*

Abraço e se cuida,

Kibe.

Urânia disse...

Kibe...
Voltei por aqui e continuo gostando do que leio,mas aí descubro que és corintiano. Vixe, que horror! Tudo bem nem tudo é perfeito...rs.Vem dá um rolé aqui na Bahia, aqui ninguém chega atrasado. Atrasado é parente do diabo, chegamos fora do horário.Rsrsrs.Bjus

Marcio Macedo (Kibe) disse...

Hi Urânia,

Seja sempre bem-vinda no blog!

Não entendo o porquê de você implicar com o meu Curintcha já que ele é o time da negrada lá em SP e nossos arquirivais são os torcedores do antigo Palestra Itália, a.k.a, Palmeiras. Se você estivesse em SP torceria para o Timão... Afinal, morando em Salvador, para que time você torce????:) De qualquer forma, não levo futebol mnuito a sério...

Quem sabe ano que vem apareço na Bahia, vamos ver!

Beijos carinhosos,

Márcio/Kibe.

Urânia disse...

Kibe, sou moça de gosto refinado(rs)...São Paulina, Viória na Bahia, Vasco no Rj e no carnaval: PORTELA a despeito dos conselhos dos meus amigos cariocas, e, obviamente,na minha terra sou Ilê Aiyê e o mundo negro nas ruas da Liberdade.
A culpa por eu ser Portelense é de Paulinho da Viola , na infância ouví tanto o samba que meu coração se deixou levar.
Quanto a seu time de coração, chato mesmo é a torcida(rsrs). Quem pode com seu amigo Thiago quando tem jogo do Corinthias? Ele foi minha experiência com a "fiel", fiquei traumatizada.
Ops* Mas, reconnheço que a combinação verde e rosa nos cai muito bem e que a pretinhosidade da fiel é coisa linda de se ver.
Quanto a sua vinda para BAhia, vem mesmo, vc será feliz nesta terra.

Marcio Macedo (Kibe) disse...

Querida Urania,

Independente de sua opção futebolística seja sempre bem-vinda ao NewYorKibe.

Farei um grande esforço para visitar Salvador ano que vem.

Beijos carinhosos,

Márcio/Kibe.